Banner

Translate

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Pessimismo e desânimo na ata da última reunião do Fed

Nem o Fed acredita em recuperação
no curto prazo
A economia norte-americana continua a não responder aos estímulos de crescimento, por meio dos planos de expansão da liquidez. O mercado de trabalho continua muito fraco e os dados sobre o PIB, após revisão, apontam para um ritmo sofrível de atividade econômica.
Essas conclusões, detalhadas na ata da reunião do dia 9/8, mais parecem preparar o ambiente de negócios norte-americano para a introdução de uma nova orientação econômica em relação à crise atual.
O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed) deve trazer novidades em relação a eventuais investimentos públicos, tendo em vista a criação de novas vagas de emprego. Também deve dar apoio decisivo às intenções de Bernanke de não mexer nas taxas de juros dos Estados Unidos.
O documento ainda insistiu em vulnerabilidades da economia a choques adversos, sem definir o que significa essa expressão assustadora “choques adversos”, mas deixou claro que o comportamento do PIB deve ser paulatino e suportado pelas baixas taxas de juros. Portanto, a taxa de desemprego vai manter-se em patamares elevados durante o próximo ano.
Em relação ao mercado de trabalho, o próprio Fed admitiu que a taxa de desemprego permanecerá em níveis elevados, até no final de 2012.
O documento coloca uma pá de cal nas crenças sobre eventuais recuperações. Semeia um clima muito desanimador e leva tanto empresários como consumidores a aprofundar suas estratégias defensivas. O consumo deverão retrair-se e as compras e estoques industriais tendem a ser ainda mais modestos.
Tudo isso em meio a novas pressões altistas sobre os preços aas consumidores e sobre as commodities, que contribuirão para a redução da renda real da população do país.
Só não é possível crer que essa ata, com o teor pessimista de que é portadora, não inspire novas ações do governo central. Dá a entender que as autoridades econômicas já estaria resignadas com cenário recessivo.
Pessoalmente entendo que seja possível esperar pela apresentação de um plano de recuperação econômica, cujo principal elemento de sustentação seja a ampliação dos investimentos públicos, apoiado no conceito de “estado indutor”.
Vamos aguardar e conferir.

indústria paulista parada em julho

Ativa e cautelosa, a indústria paulista cresce muito pouco em julho
Dados  da Fiesp apontam que, nos últimos 12 meses, a indústria no estado de São Paulo, cresceu a taxa de ,5%. O dado, considerada a situação recessiva no mundo e a apreciação do real frente ao dólar, é  até muito bom. Em julho, entretanto, o crescimento foi muito modesto, se comparado ao mês anterior, embora o crescimento de janeiro a julho seja de 2,5%. O resultado alcançado no último mês do primeiro semestre reflete o início do desaquecimento da economia nacional decorrente da política de combate à inflação.
A utilização da capacidade instalada, nesse mesmo mês, foi de  82,7%, pouco acima dos 82,2% do mês de junho.
No geral, a indústria paulista continua ativa e, se não contribui significativamente com o aumento de emprego, não deve ser causa para o aumento do desemprego.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

FEA-USP nas artes

Laboratório de Música de Câmara FEA/ECA-USP

Objetivo é manter poder de compra do brasileiro

Ministro prevê estímulos para garantir renda da classe média nas turbulências
Veículo: Estado de Minas  -  Data: 30/08/2011
Jornalista: Paula Takahashi
Para evitar que a segunda rodada da crise internacional e as medidas anunciadas pelo Planalto nessa segunda-feira diminuam o poder de compra dos mais de 30 milhões de brasileiros que entraram na classe média nos últimos anos, o governo deve anunciar até o fim do ano um conjunto de novas medidas. O anúncio foi feito pelo ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, Moreira Franco, que revelou a preocupação de que o cenário de crise econômica global afete a renda dessa parcela da população.
 “A preocupação é preventiva, os números ainda não indicam alteração, mas, como a situação econômica é muito delicada, nós estamos formulando políticas para enfrentar esse problema”, afirmou o ministro. A intenção é impedir que a nova classe média volte para a condição de pobreza à qual estava sujeita.
Situação muito improvável, segundo avaliação do diretor-presidente do Instituto de Pesquisas Fractal, Celso Grisi. “Não vejo possibilidade de redução da renda média dessa classe. No médio prazo, a expectativa é de garantia dos ganhos reais, mesmo em momentos mais difíceis”, pondera.
Apesar de não revelar as ações previstas, o ministro antecipou a possibilidade de criação da “bolsa trabalhador”, que deve beneficiar quem tem carteira profissional assinada e cuja renda mensal é baixa. A previsão é de que ainda haja uma ampliação dos benefícios já existentes, como qualificação profissional, salário família e abono salarial do PIS/Pasep. O ministro informou que as novas ações estão sendo formuladas em conjunto com os ministérios da Fazenda, Trabalho e Previdência Social. “Nós temos de começar a criar mecanismos para apoiar aquele que trabalha, estimulando a sua qualificação”, defendeu.
Para o professor de finanças da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo (FEA/USP), José Roberto Ferreira Savóia, a manutenção da renda dessa classe de trabalhadores depende do controle da inflação, principal responsável pela corrosão salarial, e da garantia de emprego. “É preciso criar medidas de estímulo à manutenção de oportunidades de trabalho e criação de vagas. Podemos pensar em reformas trabalhistas que reduzam o custo da formalização, por exemplo”, avalia.
Atualmente, 51% da população, ou 94 milhões de pessoas, fazem parte da classe média, principal responsável pelo vigor da demanda no mercado interno e considerada a propulsora da economia brasileira, principalmente com o agravamento da crise em 2008. No cenário recessivo que se configura no mercado externo, essa também é a saída vista pelo governo para enfrentar os efeitos do desaquecimento da demanda internacional. “A manutenção do poder de compra desta parcela da população é uma forma de reduzir o grau de dependência com relação ao resto do mundo”, avalia o professor de economia do Ibmec Felipe Leroy.
Daqui para o futuro
Mais medidas a caminho
A ampliação da meta de superávit primário não deve fechar o ciclo de medidas anunciadas pelo governo para manter o dinamismo da economia brasileira, iniciado no fim de 2010. A expectativa é de que novos anúncios, como o de ações voltadas para a manutenção da renda da classe média, sejam feitos nos próximos meses. Também há espaço para medidas prudenciais nas áreas fiscal e monetária, além da apresentação de alternativas que promovam maior eficiência nos investimentos. Especialistas acreditam que a aprovação do fundo de previdência dos funcionários públicos e a definição da idade mínima para aposentadoria seriam medidas fundamentais para redução de gastos futuros com a Previdência.

A confusão está armada

Tiroteio no sistema financeiro europeu
De um lado o FMI, pedindo socorro ao bancos europeus para evitar uma bancarrota generalizada no Velho Continente. De outro, o Banco Central Europeu, garantindo a saúde do sistema, com base nos chamados testes de resistência, que a instituição patrocinou.
Mas, circula a notícia por toda Europa que o Financial Times teria acessado uma correspondência privada enviada pela Autoridade Europeia de Valores Mobiliários e de Mercados ao Conselho de Normas Internacionais de Contabilidade, alertando para a existência de instituições financeiras que deveriam ter assumido perdas maiores com a exposição à dívida grega. Essas instituições estariam mascarando seus resultados. Deveriam ter reconhecido perdas maiores nos resultados do segundo trimestre desse ano.
Muitos bancos reconheceram uma perda média de 50%, ajustando-se aos preços de mercado secundário, enquanto outros entenderam que as perdas não ultrapassam os 21%.
O Conselho de Normas Internacionais de Contabilidade, de forma felina, ironizou, afirmando que “é difícil acreditar que um investidor esteja disposto a comprar dívida grega com apenas 21% de desconto sobre o valor nominal”.
A maracutaia começou. O momento pede uma rápida ação fiscalizadora para evitar eventuais contágios.

A economia da Índia surpreende

E meio a tanto pessimismo, a Índia avança
A economia da Índia superou as expectativas do mercado ao crescer 7,7% no segundo trimestre do ano, comparado com o mesmo período do ano anterior. A fonte é o Gabinete Central de Estatística do país. No primeiro trimestre, o PIB já havia crescido 7,8% e, mesmo com as pressões inflacionárias sendo combatidas pelo Banco Central do país, o consumo continuou muito ativo graças aos aumentos de salários e ganhos de renda reais.
O Banco Central da Índia promete novos aumentos dos juros locais, mesmo com a queda no crescimento da economia global.
A Índia está sinalizando ao mundo que seu desempenho econômico está associado à força de seu mercado interno. A esse propósito, países pequenos e dependentes de exportações aos Estados Unidos e Europa, como Taiwan, Coreia do Sul e Malásia, registraram perdas consideráveis na velocidade de seus respectivos crescimentos.
A demanda indiana, associada à chinesa, pode dar sustentação aos preços das commodities brasileiras.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Agora, com menos emoção

Ansiedade a mais da conta
Veículo: Portal Executivos Financeiros
Data: 23/08/2011
Parece certo uma queda brusca na atividade econômica mundial. E claro, com impactos sobre a vida dos brasileiros. Não ao ponto de destruir os avanços alcançados nos últimos anos. Estamos diante de uma crise de origem fiscal, apenas. São enormes as dívidas acumuladas pelos países desenvolvidos. Algumas, sem dúvida, impagáveis. Na Europa, a “operação resgate” tem natureza democrática ao consolidar as dívidas de cada país e distribuí-las entre os demais, sempre as compartilhando com a iniciativa privada. Os primeiros a segurar o mico, no setor privado são os bancos nacionais e estrangeiros.
A essa altura, já não se sabe mais, de que problemas esses bancos são a causa e de que outros os governos são os responsáveis. Um e outro, democraticamente, dividirão as consequências, repassando-as mais cedo ou mais tarde as suas populações nacionais. Nos Estados Unidos o pragmatismo se impôs no último acordo alcançado no senado. O repasse para a população foi imediato, por meio de cortes aos programas sociais e assistenciais. Aumentos de impostos as elites republicanas não aceitam. O mico é mesmo da população, de forma direta e imediata. Sem volteios.
Os dois maiores protagonistas do comércio mundial foram à lona e isso impõe a recessão anunciada. Como ficamos no Brasil? A redução do comércio exterior vai nos alcançar em duas vertentes. Redução nas quantidades de todos os produtos exportados e a queda nos preços das commodities.
As grandes economias ocidentais passam a importar menos e, como decorrência, a China perderá mercado para seus produtos industrializados, sofrendo expressivo impacto em seu nível de emprego e de renda. Com renda menor, importará menores quantidades das commodities brasileiras, afetando os preços das exportações desses produtos brasileiros.
Outra vez, o mercado interno pode salvar a lavoura. Os últimos dados sobre emprego, renda, atividade do comércio e confiança dos consumidores sustentam o ritmo da atividade nacional. A área econômica já mostra indícios de finalizar o ciclo de aperto monetário para ativa, mais uma vez, a demanda interna. Juros podem ser baixados, depósitos compulsórios liberados, prazos de financiamentos aumentados e impostos reduzidos nas operações financeiras. Nada de uma só vez, mas com os cuidados macroprudenciais costumeiros às autoridades econômicas, obedientes às suas tradições anticíclicas.
É bem verdade que a inflação pode recrudescer e a inadimplência aumentar. Mas há espaços para combater a alta de preços por meio de medidas fiscais no Brasil e a inadimplência se encontrará com um sólido sistema financeiro nacional, capitalizados e desalavancados, salvo exceções pontuais.
Na esteira dessas possibilidades macroeconômicas, o real se depreciaria, possibilitando salvar o que restou de nosso parque industrial. Com juros mais baixos e preços de exportações em queda, o influxo de dólares para o Brasil seria reduzido e a moeda norte-americana tenderia a uma salutar apreciação.
Mas o melhor de tudo, se é que em situações como a atual se possa utilizar essa expressão, é que poderíamos ampliar nosso superávit primário, em direção ao nominal, cortando despesas e, quem sabe, desonerando folhas de pagamentos e reduzindo alíquotas tributárias sobre os sofridos produtores nacionais.
A política fiscal será decisiva nesse momento, para continuar reduzindo o tamanho do déficit primário do governo federal, e ainda mais o crescimento da dívida pela necessidade do financiamento desse déficit primário e o custo do financiamento da dívida pública.
Celso Grisi é diretor presidente do Instituto de Pesquisas Fractal, empresa especializada em pesquisas financeiras





Mãõ de obras estrangeira

No Editorial do Jornal da Tarde
Veículo: Jornal da Tarde  -  29/08/2011

Chumbo Grosso?

Segunda feira começa com pacote
O Ministro Mantega deve, como todos nós, ter percebido que o ritmo da atividade industrial virá muito baixo, sobretudo prejudicado pela apreciação do real que compromete as exportações nacionais e estimula a entrada de produtos concorrentes no país. Também já percebeu que o PIB crescerá mais lentamente. Daí porque, a reunião do COPOM, dessa semana, deverá alcançar o consenso sobre a manutenção da taxa básica de juros em 12,5%.
Mas o desemprego caiu para os 6,0%, e a renda real aumentou outra vez. Como ficará a inflação?
O ministro já fala na possibilidade de aprofundar cortes no custeio da máquina pública e em aumentar do superávit primário. O pretexto é a crise internacional. Mas a causa parece ser a inflação. Mesmo dissimulando, seria um grande acerto do ministro.
Quanto à crise internacional, o governo gostaria de gastar 20% de suas receitas tributárias de maneira desvinculada das obrigações constitucionais. Uma exceção perigosa, mas, ao que tudo indica, necessária, se a crise internacional realmente se confirmar.
Remanescerá apenas como discrepante desse quadro de cautela, o aumento estimado em 14% no salário mínimo a partir de janeiro de 2011. Certamente, isso aceleraria a inflação.

domingo, 28 de agosto de 2011

Estagflação

Bernanke está assustado com a
possibilidade da estagflação
Embora a menor confiança dos consumidores, curioso observar que a demanda doméstica cresceu.
Em um país com recessão acentuada, o consumidor deve ter feito o consumo crescer pela compra de bens essenciais. Os discricionários devem estar passando por mau bocado.
Por outro lado, como o PIB veio tão baixo, é de se imaginar que essa demanda foi atendida a partir de estoques já existentes.
Os gastos dos consumidores no segundo trimestre, cresceram para 0,4%. O PCE, índice de preços para gastos com consumo pessoal, subiu 3,2%.
Resultado disso é que o núcleo da inflação subiu 2,2%, nesse último trimestre. É a maior alta, desde o último trimestre de 2009.
Será que foi por isso que o Bernanke ficou em cima do muro e não anunciou medida nenhuma. Acho que sim. Estagflação, como já discutiu nesse espaço, é a maior ameaça que pode pairar sobre a economia norte-americana e sua população. Também ameação os portadores de títulos da dívida soberana.

Estados Unidos nessa semana

Revisão do PIB em linha com as
 expectativas dos agentes
As revisões do PIB dos Estados Unidos têm sempre reduzido o crescimento da divulgado na primeira estimativa. Nesse trimestre, não foi diferente. A expansão do PIB do segundo trimestre foi revisada para 1%.Inicialmente, o governo havia estimado o crescimento do PIB em 1,3%.
Já se esperava por isso, mas o fato é que os Estados Unidos empobrecem muito rapidamente.
O menor crescimento reflete a menor confiança do empresariado local que, naturalmente reduz investimentos e o ritmo de sua produção. A esse propósito, o índice que afere a confiança do consumidor, produzidos pela Universidade de Michigan, também continua a cair. Em julho, ele era de 63,7 pontos e no final de agosto veio para 55,7.

Tudo que sobe desce

Imóveis começam mudar
tendências de preços
A inflação no setor da construção civil já começa a cair. Em agosto, o Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado, calculado pela FGV foi de 0,16%, menor que em julho, quando a alta foi de 0,59%.
Esse ano, o índice acumula alta de 6,31%.O setor começa a sentir que os custos devem cair e que as vendas também. Os preços podem apresentar um recuo considerável até o final do ano. Financiamentos, no entanto, podem dar sustentação a imóveis residenciais destinados as classes de menor renda.

sábado, 27 de agosto de 2011

Consistência fiscal

Absurdo tributário na consistência fiscal
O Tesouro nacional acaba de anunciar o crescimento do superávit primário. Era, em junho, de R$ 10,587 bilhões. Em julho, chegou-se a R$11,184 bilhões.
O resultado, no fundo, é decepcionante. No raso, é revoltante.
As despesas do governo cresceram 11%, no acumulado de janeiro a julho deste ano, se comparado ao mesmo período do ano passado. E as receitas cresceram nada menos que 21,9%, no mesmo período.
É muito cruel porque o crescimento das despesas pressionam a inflação e o aumento da arrecadação pune a produção.
O superávit poderia crescer muito mais, se houvesse um verdadeiro corte nas despesas. A avidez fiscal compromete o desenvolvimento, mas o governos só entenderá isso quando o nível de emprego comprometer sua popularidade.

À espera, China e Japão ficam no ponto morto

A Ásia observa atenta, mas não se move
No Japão primeiro-ministro, Naoto Kan, apresentou sua renúncia ao comando do Partido Democrático do Japão.
Os mercados sequer tomaram conhecimento. Seu sucessor não está definido e não se sabe de que partido ele possa sair.
Há que ter, nesse momento da crise japonesa, uma cartola com bons coelhos. A China permaneceu estável aguardando o discurso de Ben Bernanke. A queda dos mercados asiáticos deve se dar só na segunda-feira, em função do fuso horário. Enquanto isso, a decepção se alastra pelo mundo e uma sensação de perplexidade se põe diante de investidores e demais agentes econômicos. Não existem propostas ou iniciativas desenhadas para impedir que a recessão norte-americana contagie todo o mundo.

O degelo dos ativos

Cachorro sem dono
A impressão deixada pelo Fed é de abandono às questões do mercado.
Tudo como antes no quartel de Abrantes. Sem respostas, mas dizendo que conta com instrumentos para responder.
Uma ausência de proposta pode ser pior que uma proposta má. Bem Bernanke não disse a que vem ou está.

O mercado, perdido em meio ao tiroteio, começa a olhar par reunião do FOMC. Lá o presidente é o mesmo. Por que, então, olhar?
A expectativa é que Obama traga a nova proposta de salvação econômica antes da reunião do FMOC, tornando-se o líder da recuperação e, portanto, da próximas eleições.
Enquanto isso o mercado compra ouro, prata e outras moedas fortes. Os demais ativos tem seus valores derretidos.

O Q3 furou

A esperança agora é o FOMC
Investidores europeus frustram-se com as declarações tímidas de Ben Bernanke. Sem respostas palpáveis para a estagnação norte-americana, o presidente do Fed apenas distribuiu obviedades em formas de pérolas inesquecíveis: o Banco Central dos Estados Unidos conta com instrumental para revigorar a economia do país.
As esperanças europeias agora estão depositadas na reunião do FMOC do mês de setembro.
Há quem especule que Bernanke tenha apenas feito um esforço de ganhar tempo. Para que? Não se sabe. Outros já pensam que esteja em curso uma iniciativa do presidente Obama para substituir pessoas importantes da área econômica de seu governo e que um plano centrado na ampliação dos investimentos públicos esteja em curso. Faz sentido, mas não quer dizer que seja verdade.

Hábitos de mídia

O curioso do futurismo é a
quebra dos paradigmas
Jeff Cole é pesquisador na UCLA e dedicado a entender os comportamentos de uso das mídias eletrônicas. Seu trabalho revela que 4 a 5 por cento das pessoas que usam PC’s hoje realmente precisam deles. Para os demais 95 a 96 por cento, os PC’s podem ser substituídos, sem nenhuma perda, por smartphones e tablets.  O pesquisador afirma que seu trabalho também aponta que os dispositivos móveis superarão as TV’s como mídia de maior uso e de maior importância no seu contexto diário.

Entre outros achados, ele aponta a tendência de as redes sociais se fragmentarem de maneira a desaparecerem as propostas de redes sociais  de utilização generalizada por toda a população.
Parece razoável que os interesse sociais definam o convívio nas redes. Dificilmente, as pessoas alocarão seus tempos para ler ou escrever  (ou falar, no futuro) sobre assuntos que não lhes interessam  ou sobre abordagens diferentes de suas preferências.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

FEA-USP e o segundo semestre


De 29 de agosto a 3 de setembro de 2011


29.08
SegundaSÉRIE DE PALESTRAS - BRASIL DO FUTURO
De 29 de agosto a 2 de setembro
29/8
- Perspectivas para os Direitos Humanos no Brasil
Às 11h30, Auditório, FEA-5
Palestrante: José Gregori
- A Agenda Brasileira para seu Desenvolvimento Econômico
Às 17h, Auditório, FEA-5
Palestrantes: Profs. Drs. Luiz Gonzaga Belluzzo e Ignacy Sachs
30/8
- Perspectivas de Redução da Pobreza e seu Impacto sobre os Direitos Humanos
Às 11h30, Auditório, FEA-5
Palestrantes: Leonardo Sakamoto e Profª. Drª. Silvia Schor
- Perspectivas para o País e para o Futebol com a Copa do Mundo
Às 17h, Auditório, FEA-5
Palestrante: Mauro Beting
31/8
- Perspectivas e Desafios para o Sistema Público de Saúde
Às 11h30, sala A1, FEA-1
Palestrantes: Profªs. Drªs. Marislei Nijishima e Denise Cyrillo
- As Perspectivas de Atuação da Imprensa no Desenvolvimento Institucional Brasileiro
Às 17h, Auditório, FEA-5
Palestrantes: Silvio Caccia Bava, Ricardo Gandour e Prof. Dr. Eugênio Bucci
1/9
- Perspectivas de Modelos Energéticos para o Brasil
Às 11h30, sala A1, FEA-1
Palestrante: Prof. Dr. Ricardo Abramovay
- Perspectivas de Mudanças Institucionais na Política Brasileira
Às 17h, Auditório, FEA-5

Palestrantes: Profs. Drs. Dimitri Dimoulib, Fernando Limongi e Maria Rita Loureiro
2/9
- Perspectivas Brasileiras para os Modelos Econômicos ? Alternativas de Desenvolvimento
Às 11h30, Auditório, FEA-5
Palestrantes: Profs. Drs. Paul Singer e Leda Paulani
Responsável: Maíra Madrid
Realização: CAVC
Inf.: 3091-5914
www.cavc.com.br
30.08 Terça
-PALESTRA EM HOMENAGEM A ANTONIO BARROS DE CASTRO
Das 14h às 15h30, sala G4, FEA-1
Palestrante: Prof. Dr. Paulo de Tarso Soares
Responsável: Thomas Z. de Barros
Realização: CAVC
Inf.: 3091-5914
www.cavc.com.br

31.08 Quarta
-CIRCUITO DE FILMES DE HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL
Gloria Feita de Sangue (dirigido por Stanley Kubrick)

Às 11h15, sala E4, FEA-1
Debate, às 14h20, com Prof. Dr. Alexandre Saes
Responsável: Marco Bonazolli
Realização: CAVC
Inf.: 3091-5914

-CONCERTOS ECA-FEA DE MÚSICA DE CÂMARA
Das 12h30 às 13h30, Auditório, FEA-5
Responsáveis: Profs. Drs. Edson Luiz Riccio, Michael Alpert e Amilcar Zani Netto
Realização: CCInt-FEA e ECA-USP
Inf.: 3091-6075
elriccio@usp.br

-METODOLOGIA ECONÔMICA NO BRASIL: HOMENAGEM À PROFESSORA ANA MARIA BIANCHI
A partir das 14h, sala da Congregação, FEA-1
Palestrantes: Profs. Drs. Pérsio Arida, Angela Ganem, Maurício Coutinho, Ramón Garcia Fernandez, Leda Maria Paulani e Roberta Muramatsu
Responsáveis: Profs. Drs. Pedro Garcia Duarte (FEAUSP) e Ramón Garcia Fernandez (UFABC)
Realização: EAE e Fipe
Inf.: 3091-5802
www.usp.br/feaecon

-APRESENTAÇÃO FINAL DOS GRUPOS DO PESC
Das 14h às 17h, sala A2, FEA-1
Responsável: Tamara Ferreira Alvarenga
Realização: PESC
Inf.:
pesc@usp.br
http://www.pesc.fea.usp.br/
01.09 Quinta
-PALESTRA - ESTRATÉGIA, GESTÃO DE CUSTOS E COMPETITIVIDADE
Das 11h30 às 13h ou 17h30 às 19h, sala da Congregação, FEA -1
Responsável: Prof. Dr. Welington Rocha
Realização: Laboratório de Gestão Estratégica de Custos (CMS-Lab)
Inf.: 3091-5820 ramais 144, 152 e 158
Evento gratuito. É necessário confirmar presença pelo site:
http://www.eac.fea.usp.br/eac/cmslab/palestras.aspx

02.09 Sexta
-PALESTRA - ARNESSING THE DISRUPTIVE POWER OF CONNECTED CONSUMERS
Às 15h, sala Ruy Leme, FEA-1
Palestrante: Prof. Dr. Jagdip Singh (H Clark Ford Professor of Marketing and Chair of the Marketing Case Western Reserve University Cleveland)
Responsável: Prof. Dr. José Afonso Mazzon
Realização: EAD-FEAUSP
Inf. e Insc.: 3818-4026
jamazzon@usp.br e jmhernndez@fei.edu.br

-WORKSHOP DESAFIO DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA - ETAPA USP
Palestras e simulações

Das 8h30 às 22h, sala da Congregação, FEA-1
Pregão lúdico + quiz educativo: às 9h15, às 14h45 e às 19h45
Palestras:
- Investimento Consciente, às 8h30, às 14h e às 19h
Palestrante: Marco Goulart
- Escolhas Conscientes, Futuro Consistente, às 11h
Palestrante: Martin Iglesias
- Faça seu dinheiro trabalhar por você, às 18h
Palestrante: Jurandir Macedo Jr.
Responsáveis: Profs. Drs. Roy Martelanc e Elvis Cristiano Tolotti
Realização: EAD-FEAUSP e Oficina de Inovação
Inf.: 3847-3708
Evento gratuito.
Insc.: no site
www.desafioedufinanceira.com.br

Defesas de Teses
Administração
-FULVIO CRISTOLI
Doutorado
-Um estudo sobre a gestão da terceirização de serviços de tecnologia da informação baseados em modelos de governança?
Dia 30 de agosto, às 14h, sala 217, FEA-5
Orientador: Prof. Dr. Hiroo Takaoka
Comissão: Profs. Drs. Edmir Parada Vasques Prado, Sidnei Bergamaschi, Silvio Carvalho Neto e Adilson Aderito da Silva

-RICARDO GOULART SERRA
Doutorado

-Perda de valor das empresas listadas na Bovespa durante a crise financeira de 2008: uma análise sob a perspectiva da modelagem hierárquica linear?
Dia 31 de agosto, às 14h, sala 217, FEA-5
Orientador: Prof. Dr. Roy Martelanc
Comissão: Profs. Drs. Almir Ferreira de Sousa, Luiz Paulo Lopes Fávero, Ricardo Humberto Rocha da Silva e Ricardo José de Almeida

-ANTONIO DE PÁDUA ARAÚJO
Doutorado

- Competências profissionais e educação corporativa em gestão de pessoas: um estudo empírico
Dia 1 de setembro, às 9h, sala 217, FEA-5
Orientador: Prof. Dr. Lindolfo Galvão de Albuquerque
Comissão: Profs. Drs. Joel de Souza Dutra, Liliana Vasconcellos Guedes, Darcy Mitiko Mori Hanashiro e Nildes Raimunda Pitombo Leite

Agende-se
SETEMBRO
-INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O FESTIVAL DE BANDAS
Até 12 de setembro

É necessário ter um aluno da FEA na banda.
Festival: 23/9
Enviar vídeo ou gravação da sua banda para o e-mail:
semanaartefea@gmail.com
-IV EMPREENDEDORISMO E SUSTENTABILIDADE
Palestras, workshops e mesas-redondas

De 12 a 15 de setembro, na FEAUSP (horários e locais a confirmar)
Responsável: Fabio Cortez
Realização: PET ADM, FEA júnior USP, CAVC, FEA Debate e AIESEC
Insc.: no site (a partir de segunda):
www.petadmusp.com/es
-TREINAMENTO MENDELEY - GERENCIADOR DE BIBLIOGRAFIAS
Dia 15 de setembro, das 14h s 17h, sala A1, FEA-1
Palestrante: Prof. Dr. Diógenes Bido (Mackenzie)
Responsáveis: Dulcinéia Jacomini e Ivone Robles
Realização: Biblioteca da FEA
Inf. e inscr.: por e-mail  
bibfea.atend@usp.br

-66° REUNIÃO DA REDE FEAUSP DE GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA
Tema: Geração Y, Questões Intergeracionais e QVT

Dia 16 de setembro, das 11h30 às 13h30, sala Ruy Leme, FEA-1
Responsável: Profª. Drª. Ana Cristina Limongi-França
Realização: GQVT FEA-USP
Inf.: 3091-5908
Inscrições por e-mail
climongi@usp.br

- PALESTRA - O QUE ESTAMOS APRENDENDO COM A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL
Dia 17 de setembro, das 8h30 às 12h30, Auditório, FEA-5
Responsáveis: Profs. Drs. Lindolfo Galvão de Albuquerque e Almir Ferreira de Sousa
Realização: Pós-graduação EAD
Programação em breve
Inf.: 3091-6077

-SEMINÁRIO ACADÊMICO
Observing Shocks

Dia 19 de setembro, às 15h30, sala A1, FEA-1
Palestrante: Prof. Dr. Pedro Garcia Duarte
Responsável: Prof. Dr. Gabriel Madeira
Realização: EAE
Inf.: 3091-5802
www.usp.br/feaecon

-PALESTRA - A CAMINHO DA RIO+20
Dia 19 de setembro, das 14h às 19h30, Auditório, FEA-5
Palestrante: Michel Rocard, ex-Primeiro Ministro da França
Responsável: Profª. Drª. Maria Hermínia Tavares de Almeida
Realização: IRI-USP
Haverá tradução simultânea
Inf.: 3091-1898

-SEMANA DE ARTE NA FEA
Para alunos, professores e funcionários
Contextos temáticos para cada dia: Arte Brasileira, Arte Urbana e Anos 60
De 19 a 23 de setembro, no saguão do prédio FEA-1
Exposições: Entregar fotos de viagens, poemas, desenhos ou qualquer material que quiser expor (por e-mail ou na Vivência)
Responsáveis: Profª. Drª. Marina Mitiyo Yamamoto e Marco Bonazzoli
Realização: Comissão de Cultura e Extensão da FEAUSP e CAVC
Inf.: por e-mail
semanaartefea@gmail.com

-PALESTRAS CIÊNCIAS ATUARIAIS
Dia 20 de setembro, das 19h30 às 21h, Auditório, FEA-5
- Certificações Anbima
Palestrantes: Ricardo Nardini (gerente executivo de certificação e educação da ANBIMA) e Prof. Dr. Luiz Jurandir Simões de Araújo
- Certificação e Carreira
Palestrante: Prof. Dr. Luiz Jurandir Simões
Responsáveis: Profs. Drs. Luiz Jurandir Simões (FEA) e Thaicia Stona (IME)
Realização: EAC
Insc.: por e-mail
eventoscertifica@gmail.com
Enviar dados abaixo
Assunto: Inscrição Anbima 20 Setembro/ FEA5; Corpo do email: Nome/ Nº. USP/Faculdade/ Instituto/e-mail
Inf.: 3091-5820

-VI SEMANA DO EMPREENDEDOR
Ciclo de atividades para exposição de temas do cotidiano de pequenos e médios empresários
Dias 20 e 21 de setembro, horário a confirmar, sala da Congregação, FEA-1
Responsável: Victor Augusto Varela Ramalho
Realização: FEA júnior USP
Inf.: 3091-5904/5928
semanadoempreendedor@feajr.org.br
www.feajr.org.br
-FÓRUM DE LÍDERES - INVESTIMENTOS NO VAREJO BRASILEIRO
Questões relativas à oferta de crédito e os caminhos institucionais e multilaterais de financiamento
Dia 27 de setembro, das 9h às 12h, sala da Congregação, FEA-1
Palestrantes: Flávio Rocha (Diretor Vice-Presidente e Diretor de Relações
com Investidores da Riachuelo), Pedro Magalhães (Proprietário da Máquina de Vendas, Romeu Zema - CEO
da Eletrozema e Ubirajara Pasquotto - Proprietário da Cybelar), Managing partners dos fundos de private equity Advent e Carlyler, e representantes do BNDES, Banco Central e do Banco Mundial
Responsável: Prof. Dr. Claudio Felisoni de Angelo
Realização: IBEVAR e PROVAR
Vagas limitadas
Inf.: por e-mail, com Pauliane
paulianea@fia.com.br

OUTUBRO
-XVI COMPETIÇÃO DE RESOLUÇÃO DE CASOS
Inscrições em setembro
1ª Fase: 7/10
2ª Fase: 14/10
Final: 19/10
Responsável: Paula Zalcberg
Realização: FEA júnior USP
Inf.: 3091-5904/5928
competicaodecasos@feajr.org.br
www.competicaodecasos.com.br

XIV SEMEAD - Ensino e Pesquisa em Administração
Dias 13 e 14 de outubro, na FEAUSP
Responsáveis: Profs. Drs. Lindolfo Galvão de Albuquerque e Martinho Isnard Ribeiro de Almeida
Realização: Programa de Pós-graduação em Administração FEAUSP
Inf.: 3091-5805
semead@edu.usp.br

OFICINA SIMULAB
Formato semipresencial para coordenadores, professores e pesquisadores de IES e organizações

Dia 14 de outubro, das 8h às 17h, sala A7, FEA-1
Responsável: Prof. Dr. Antonio Carlos Aidar Sauaia
Realização: SIMULAB/FEAUSP e FIA
Inf.: 3091-5985
Insc.: no site
www.fia.com.br
asauaia@usp.br

NOVEMBRO
-V JOVENS INVESTIDORES
Feira sobre mercado financeiro voltado para universitários

Dias 9 e 10 de novembro, das 11h às 20h, saguão, FEA-1
Responsável: Camila Vieira
Realização: FEA júnior USP
Inf.: 3091-5904 ou 3091-5928
Insc.: no site
www.jovensinvestidores.com.br
jovensinvestidores@feajr.org.br

IV ENED - Encontro da Universidade com Empresas em Desenvolvimento - A Educação Executiva na perspectiva das PMEs
Dia 19 de novembro, das 8h30 às 12h30, na FEAUSP
Responsável: Prof. Dr. Almir Ferreira de Sousa
Realização: ProCED/FIA e PPGA-FEAUSP
Inf.: em breve
Informe-se
PALESTRA DE APRESENTAÇÃO PARA FEA E POLI - ADVENT INTERNATIONAL
Dia 29 de agosto, às 11h30, Auditório Romeu Landi
Realização: POLI e Liga de Mercado Financeiro FEAUSP
Insc.: no site
www.adventinternational.com/trainees2012

GLOBAL FORUM DA AMÉRICA LATINA - Edição 2011
De 29 a 31 de agosto, online: www.globalforum.com.br
Responsável: Prof. Dr. José Roberto Kassai
Realização: EAC ? NECMA/USP
Inf.: 3091-5820
jrkassai@usp.br
feaconsultingclub@gmail.com
www.feaconsultingclub.com.br
PROCESSO SELETIVO BAIN & COMPANY POLI/FEA 2011
Dias 31 de agosto, às 11h, Anfiteatro Administração da POLI e dia 1 de setembro, às 19h, Anfiteatro de Produção da POLI
Responsável: Maurício Tibério
Realização: FEA Consulting Club
Inf.:
feaconsultingclub@gmail.com
www.feaconsultingclub.com.br
INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O XXV PRÊMIO JOVEM CIENTISTA
-Cidades Sustentáveis
Até 31/8

Responsável: Prof. Dr. Marco Antonio Zago
Realização: Pró-Reitoria de Pesquisa USP, CNPQ, Fundação Roberto Marinho, Gerdau e GE
Inf. e Insc.: por e-mail ou no site
pibic@usp.br
www.jovemcientista.cnpq.br
INFO@TRENDS - A NOVA REALIDADE TEM VOZ
Dias 1 e 2 de setembro, Hotel Unique, SP
Palestrantes: Julian Assange (Wikileaks) e Arianna Huffington (The Huffington Post Media Group)
Realização: Editora Abril
Apoio: FEA júnior USP
infotrends@sirin.com.br
www.infotrends.com.br

DEBATE - A ENTRADA DO ANTROPOCENO E A RIO+20
A interferência da ação humana em eventos extremos, na acidificação dos oceanos até a ameaça à biodiversidade e o papel da RIO+20
Dia 12 de setembro, das 11h30 às 14h, sala de eventos do IEA
Palestrantes e debatedores: Profs. Drs. Ignacy Sachs, Fabio Feldmann e Ricardo Abramovay
Responsáveis: Profs. Drs. Ricardo Abramovay e Wagner Ribeiro
Realização: NESA-FEAUSP e IEA/USP
Inf.: 3091-1685, com Inês Iwashita
ineshita@usp.br
Transmissão ao vivo: http://www.iea.usp.br/aovivo
INSCRIÇÕES ABERTAS - PRÊMIOS SANTANDER UNIVERSIDADES
Ciência e Inovação

- Para pesquisadores com título de doutor e docente com Lattes atualizado e vínculo com IES parceiras
Até 13/9
Realização: Santander Universidades
Inf. e Insc.: no site
www.santanderuniversidades.com.br/premios

-CONFERÊNCIA - DESAFIOS DA GLOBALIDADE
Ciências Políticas, Economia, Direito e Relações Internacionais
Dia 26 de setembro, às 19h, salão Nobre da Faculdade de Direito da USP
Palestrante: Prof. Dr. Celso Lafer
Dias 7,19 e 26/10, às 17h, Auditório, FEA-5
Palestrantes: Profs. Drs. Adam Przeworski, Jacques Marcovitch e Otaviano Canuto dos Santos Filho
Responsável: Prof. Dr. Nicolau Reinhard
Realização: FEA, FD, IRI, Dep. de Ciência Política da FFLCH
Programação completa e inscrições:
http://www.inovacao.usp.br/uspconferencias/globalidade/

INTERNATIONAL AGRIBUSINESS CONFERENCE
-The Multiple Agro Profiles: How to Balance Economy, Environment and Society
Inscrições com desconto até 15/10

De 30 de novembro a 2 de dezembro, em Buenos Aires
Responsáveis: Prof. Dr. Sebastian Senesi (PAA-FAUBA), Decio Zylbersztajn (PENSA-USP) e Fernando Vilella (PAA-FAUBA)
Realização: PAA e PENSA
Inf. e Insc.:
www.pensaconference.org
ipaapc@pensaconference.org

OSUSP, em setembro

A OSUSP prenuncia a primavera 
A Orquestra Sinfônica da USP, sob a regência da maestrina Ligia Amadio, apresenta no dia 4 de setembro, na Sala São Paulo, concerto dedicado aos compositores Jean Sibelius, Camargo Guarnieri e Ronaldo Miranda. No dia 2 de setembro, no Anfiteatro Camargo Guarnieri, serão executados trechos do programa do dia 4.
A OSUSP contará com a participação, como solista, da premiada pianista brasileira Sonia Rubinsky, intérprete excepcional dos repertórios clássico e romântico.
2 de setembro - sexta-feira, às 12h (excertos do concerto de 4 de setembro)
Anfiteatro Camargo Guarnieri - USP (350 lugares)
Rua do Anfiteatro, 109 - Cidade Universitária - São Paulo
Entrada Franca

4 de setembro - domingo, às 17h
Sala São Paulo (1500 lugares)
Praça Júlio Prestes, s/ nº
Ingressos de R$10,00 a R$ 50,00 (inteira)
Programa:
Ronaldo Miranda
Suíte Festiva (15’)
Camargo Guarnieri
Concerto para piano e orquestra n.2 (23’)
Jean Sibelius
Sinfonia n.2, op. 43, em ré maior (43’)
Solista:Sonia Rubinsky
Regente: Ligia Amadio
Compra de ingressos:
Ingresso Rápido: http://www.ingressorapido.com.br-Fone: (11) 4003 -1212
Bilheteria Sala São Paulo - Fone: (11) 3223-3966
OSUSP- Orquestra Sinfônica da USPwww.sinfonica.usp.br
www.twitter.com/osusp
Tel.: (11) 3091-3000